CVM – Empiricus – Sem autorização

27/03/2019 Notícias

Na data de 21/03/2019, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) divulgou um comunicado relembrando que a Empirucus – que recentemente tornou-se ainda mais famosa em razão do polêmico vídeo envolvendo o aumento do patrimônio da Betina – não tem autorização para analisar investimentos.

Segundo a Autarquia, a emissão dos relatórios pela empresa trata-se de atividade de analista de valores mobiliários – regulamentada pela ICVM 598 de 2018. Conforme a norma, “Analista de valores mobiliários é a pessoa natural ou jurídica que, em caráter profissional, elabora relatórios de análise destinados à publicação, divulgação ou distribuição a terceiros, ainda que restrita a clientes.”

Os relatórios de análise, por sua vez, são “quaisquer textos, relatórios de acompanhamento, estudos ou análises sobre valores mobiliários específicos ou sobre emissores de valores mobiliários determinados que possam auxiliar ou influenciar investidores no processo de tomada de decisão de investimento.”.

A Instrução ainda complementa: “Exposições públicas, apresentações, vídeos, reuniões, conferências telefônicas e quaisquer outras manifestações não escritas, cujo conteúdo seja típico de relatório de análise, são equiparadas a relatórios de análise.”.

Portanto, ainda que você se sinta seguro para analisar valores mobiliários e emitir opiniões sobre investimentos, tome cuidado para não extrapolar os limites do senso comum e desempenhar atividade regulamentada pela CVM sem a devida autorização. Algo que em tese poderia lhe trazer uma boa imagem, por um simples descuido por lhe ser prejudicial.

Fonte: http://www.cvm.gov.br/noticias/arquivos/2019/20190321-1.html

 

 

em que afirma que a Empiricus não tem autorização para analisar investimentos. A nota vem após a controvérsia provocada por um vídeo da empresa, em que a funcionária Bettina Rudolph afirma ter ficado milionária em apenas três anos. O aviso da CVM veio na mesma semana em que o Procon-SP notificou a Empiricus e pediu esclarecimentos sobre a peça publicitária. Além de questionar se o vídeo apresenta um caso real ou fictício, o Procon pede documentos que provem a trajetória das finanças de Bettina.

 

Fonte: http://www.cvm.gov.br/noticias/arquivos/2019/20190321-1.html